Viagens

quinta-feira, 17 de março de 2011

Iluminísmo:Será o seculo das luzes?

Frases de René Descartes
"Penso, logo existo."
"Daria tudo que sei, pela metade do que ignoro."
"A caridade cobre com um véu os defeitos dos homens."
"Elevai a tal ponto a vossa alma que as ofensas não possam alcançar."
"Afasta-te de todas as impressões dos sentidos e da imaginação, e crê apenas na tua razão."
"A inteligência humana só é infalível quando decide sobre o que percebe distintamente."
"O bom senso é a coisa mais bem distribuída do mundo: todos pensamos tê-lo em tal medida que até os mais difíceis de se contentar nas outras coisas não costumam desejar mais bom senso do que têm."
"A leitura de todos os bons livros é qual uma conversação com as pessoas mais qualificadas dos séculos passados."
"Viver sem filosofar é o que se chama ter os olhos fechados sem nunca os haver tentado abrir."
"A intuição é uma concepção não duvidosa da mente pura e atenta, e nasce apenas da luz da razão."
"Quando gastamos tempo demais a viajar, tornamo-nos estrangeiros no nosso próprio país."
"A moral, ciência que pressupõe o conhecimento das demais ciências, é o supremo grau da sabedoria."
"Sucede com freqüência que os espíritos mais mesquinhos são os mais arrogantes e soberbos, assim como os espíritos mais generosos são os mais modestos e humildes."
"Despreza-se um homem que tem ciúmes da mulher, porque isso é testemunho de que ele não ama como deve ser, e de que tem má opinião de si próprio ou dela."
"As paixões são todas boas por natureza e nós apenas temos de evitar o seu mau uso e os seus excessos."
"À exceção de nossos pensamentos não há nada de tão absoluto em nosso poder."
"Em matéria de amor, não amar é o meio certo para ser-se amado."
"Não basta termos um bom espírito. O mais importante é aplicá-lo bem."
"Não ser útil a ninguém equivale a não valer nada."
"O alimento da juventude é a ilusão."

Biografia de René Descartes
Oriundo de uma família burguesa abastada e nascido em La Haye, em França, em Março de 1596, René Descartes é considerado como um dos maiores filósofos de sempre. A ele se deve a célebre frase "cogito, ergo sum" ("penso, logo existo".
Resumo Biográfico
Nascido no seio de uma família burguesa abastada, teve à sua disposição os recursos materiais suficientes para que pudesse viver sem necessidade dos rendimentos do trabalho. Com apenas dez anos ingressou em um colégio dirigido por padres jesuítas, o Colège Royal de la Flèche, considerado como um dos melhores estabelecimentos de ensino da época. Com 18 anos deixa o colégio para se matricular no curso de Direito em Poitiers, completando a sua licenciatura em 1616. Dedica-se então à carreira militar, alistando-se no exército protestante holandês de Maurício Nassau, onde conhece o sábio Isaac Beeckman. Passa depois pela Dinamarca e daí para a Alemanha onde se alista nas tropas católicas do duque Maximiliano da Baviera.
Em 1619, supostamente após uns sonhos, toma consciência da sua verdadeira vocação de intelectual e abandona a carreira militar. Inicia então um período de viagens pela Alemanha e Holanda, regressando a França em 1622. Em Paris conhece o escritor Jean-Louis Guez (de Balzac) e cientistas como Morin, Mydorge e Villebressien. Convive também com o Padre Marsenne, homem muito interessado pelo saber e pelo culto, com quem Descartes mantém vasta troca de correspondência acerca da sua filosofia. É também durante este período que trava conhecimento com o Cardeal Pierre de Bérulle, homem extremamente influente, que convida Descartes a efetuar a defesa metafísica dos princípios religiosos.
Em 1628, escreve a sua primeira obra (em latim), "Regulae ad Directionem Ingenii" (Regras para a Direção do Espírito), obra esta que viria a ser publicada apenas em 1701, cinco décadas após a sua morte. Nela expõe a autêntica ordem da razão e o método científico, rompendo com o método da física escolástica. Em 1637 publica o "Discours de la Méthode" (Discurso do Método) no qual critica o método da Escolástica e propõe uma nova orientação para a Filosofia. Em 1633 escreve a sua obra de Física, "Le Monde", mas cuja publicação viria a ser adiada tarde devido à notícia da condenação de Galileu. Em 1641 publica as "Meditationes de Prima Philosophia" (Meditações sobre a Filosofia Primeira) onde procura dar uma fundamento sólido à ciência e responder ao ateísmo céptico e libertino. Em 1644 escreve outra obra célebre, esta em forma de manuais, "Principia Philosophiae" (Princípios de Filosofia), com a qual tenta impor nas escolas a sua filosofia em substituição da filosofia escolástica.
Em 1649 viaja para Estocolmo a convite da rainha Cristina da Suécia, cidade onde viria a falecer no ano seguinte, vítima de pneumonia.
Principais obras publicadas
Publicadas durante a sua vida
. Discours de la Méthode (1637)
. Meditationes de Prima Philosophia (1641)
. Principia Philosophiae (1644)
Publicadas após a sua morte
. Musicae Compendium (1650)
. Lettre Apologétique (1656)
. De Homine (1662)
. Le Monde ou le Traité de la Lumière (1664)
. Traité de la Formation du Foetus (1664)
. Traité de la Mecanique (1668)
. Regulae ad Directionem Ingenii (1701)
-Iluminismo 
 O iluminismo foi um movimento intelectual ligado aos valores da burguesia que ganhou força no final do antigo regime nos séculos XVII e XVIII na Inglaterra. Caracterizava-se pelo racionalismo, antimercantilismo, antiabsolutismo e o anticlericalismo.


Os principais pensadores iluministas são:
René Descartes: filósofo, matemático, cientista e considerado um dos pioneiros do iluminismo. Descartes afirma que o ato de duvidar permite ao homem comprovar sua própria existência pensando.
Isaac Newton: físico, astrônomo e matemático foi um dos fundadores do iluminismo. Formulou a lei da gravitação universal que foi uma importante descoberta.
John Locke : político, religioso, defendia a liberdade civil e se dedicava a vida pública. Contribuiu para o combate ao absolutismo.
Voltaire: escritor, crítico que se destacou por criticar violentamente os abusos do clero e da igreja que segundo ele oprimia as pessoas.
Montesquieu: jurista, filósofo e escritor. Apresentava problemas políticos e sugeria soluções. Em seu livro “O espírito das leis” expôs sua teoria dos poderes legislativo, executivo e judiciário a fim de impedir abusos de poder.
Rousseau: filósofo, democrático e popular. Pregava liberdade, igualdade e fraternidade. Dizia que “o homem nasce bom, é a sociedade que o corrompe”.

Na economia, o iluminismo gerou a doutrina fisiocrata e do liberalismo econômico. A doutrina fisiocrata foi criada por François Quesnay que afirma que a terra é a única fonte de riqueza e que a agricultura era a mais importante atividade econômica. A doutrina fisiocrata reagiu contra o mercantilismo e influenciou outros economistas como Thomas Malthus, David Ricardo e Adam Smith.

O liberalismo econômico foi criado por Adam Smith que afirmava que a única fonte de riqueza era o trabalho e não a terra. Se mostra contra a intromissão do governo na economia e era favorável à liberdade de produção.
No poder, ocasionou o despotismo esclarecido que era uma política reformista que tinha como objetivo aumentar o poder e o seu prestígio e enfraquecer a oposição ao governo. Os principais déspotas esclarecidos são: Frederico II, Catarina II, José II, Marquês de Pombal.
-Antimercantilismo
  Éra controlado pelo governo atravéz da econômia, e o comércio era considerado a primeira fonte de riquesa de um país.
 Apatir do século XVIII, influenciados pelo iluminismo, vários economistas passaram a descordar dos principios mercantilistas, e falavam que eles impediam o crecimento do país.
-Antiabsolutismo
 Tal como John Locke e outros pensadores, questionaram a ordem vigente, defendendo não apenas a liberdade intelectual, mas também a liberdade política.
Criticaram o absolutismo, o mercantilismo e as condições sociais dos diversos países europeus.  


Será que o iluminismo  é mesmo o século da salvação e das luzes?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário